No recortado e vastíssimo panorama das ilhas da Itália, Capri ocupa uma posição de privilégio absoluto.

Se cada ilha tem características bem definidas e pormenores que nos transmitem a imagem turística, o simples mencionar "Capri", invoca uma série de sensações, que exaltam adimensão de ilha mediterrânea paradisíaca.

Capri é essencialmente fábula, um sonho perdido no extraordinário azul de um mar incrível, nos panoramas infinitos que abraçam outros preciosos sinais do admirável mosaico representado pela costa entre o Cabo Miseno e Amalfi.

Tudo quanto os sentidos podemperceber encontra nesta ilha amais elevada gratificação:
- a luz, complemento sublime de cores e detalhes que permitem ler, corno num livro aberto, as inesgotáveis maravilhas do local:
- o perfume das flores, outra jóia junto à vegetação que mistura aspectos mediterrâneo e tropicais:
- as selvagens brisas do mar, a própriavida da ilha:
- a desconcertante voz do silêncio, cortada apenas pelo grito das gaivotas:
- oromper das ondas contra as rochas íngremes:
- o gosto, talvez material mas certamente sublime, da
requintada e seleta cozinha de Capri:
- o sabor dos seus nobres vinhos, vindos de uma terra áspera egenerosa.

MARINA GRANDE
É dificil para quem não conhece Capri, imaginar as emoções e admiração do turista que chega pela primeira vez nesta ilha encantada. Marina Grande, como diz o nome, constitui o principal porto, entrada principal para a ilha.

Ali, na era Augusta, havia um arsenal, a Grande Marina, que os romanos utilizavam como desembarcadouro para seus navios, tendo construído depois um porto por onde se alcançava residências imperiais.

O olhar do turista que chega a Marina Grande, primeiro é atraído pelo pitoresco porto, pelos barcos e pela seqüência de sugestivas casas salpicando de branco as colinas. As flores, os maravilhosos pinheiros marítimos, os precipícios de rocha calcária, contribuem para definir o quadro deste presépio mediterrâneo.

MARINA PEQUEÑA
A sugestiva localidade é uma das mais conhecidas e equipadas estações balnearias. Lugar da moda, ideal para os apaixonados pelo turismo náutico, tem urna característica especial: nas suas amenas enseadas floresceu, a partir dos anos 50/60, o mito turístico de Capri, ligado aos mais famosos nomes do cinema, teatro e cultura. São numerosos os vestígios que atestam a freqüência deste local desde o início da civilização. Ao longo dos contrafortes rochosos que se desenvolvem no Monte Solaro, abre-se, sobre a Marina, a chamada "Gruta dos Fetos" que representa urna das mais importantes zonas pré-históricas da ilha.

Algumas obras do antigo porto romano ainda são visíveis junto ao chamado Rochedo das Sereias.

VIA KRUPP
Esta estrada panorâmica, que só pode ser percorrida a pé, é uma das maiores atrações desta ilha mediterranea. Foi construída no início do século passado pelo alemão do qual conserva o nome.

Pitorescamente gravada nas rochas que caracterizam as íngremes falésias da costa sul de Capri, conduz numa sucessão de curvas e serpentinas estreitas, dos Jardins de Augusto à Marina Pequeña

JARDINS DE AUGUSTO
Muito verde, pinheiros, flores e palmeiras seculares de caule alto, verdadeiro pulmão localizado no centro de Capri, este jardim é ideal para repouso e deleite dos turistas e visitantes. De seu miradouro observa-se uma das áreas panorâmicas mais significativas da costa, aberta por uma incrível variedade de enseadas rochosas e seu imponente cartão postal: os farilhões.

FARILHÕES
Desde sempre, estes enigmáticos colossos de rocha, emergentes das profundidades de um mar extraordinariamente azul, constituem a imagem mais conhecida e divulgada de Capri para omundo.

Situados diante da costa sudeste da ilha, foram formados pela secular erosão das águas que desagregaram grandes paredes de rocha, destacando-as do corpo central da ilha e abrindo brechas, cavidades, grutas e belíssimos arcos naturais.

PIAZZETTA
A vida em Capri gira em torno da "Piazetta". Seus bares e casas de
chá são o point" de turistas endinheirados, intelectuais e altos executivos. Ali são lançadas tendências da moda em desfiles e programas de televisão. Passagem obrigatório de turistas, a praça é conhecida como o saloto del mondo (salão de visitas do mundo).

Seu relógio é o marco principal de ingresso à ilha e assume real importância para os capreses pois a batida sistemática de seus sinos a cada quarto de hora anunciam a saída dos autobus que transitam por Capri e Ana Capri e do Funicolar, elevador da Marina Grande para Capri.

GRUTA AZUL
A Gruta Azul é, assim corno os farilhões, uma cavidade calcária. A maneira mais tradicional e sugestiva para esta excursão, é embarcar na Marina Grande num dos tantos barcos turísticos, lanchas ou barco a motor que oferecem serviço de tran sporte. A entrada na gruta é feitapor minúsculos barcos a remo, para 2 ou 4 pessoas que passam por um vão de urn metro, antes de adentrarno grandiosos fascínio da gruta.

A atmosfera de sedução e magia no interior da gruta é determinada por reflexos azul celeste da luz que penetra pela entrada estreita da rocha, enquanto que extraordinárias transparências azul cobalto são causadas pela luz difusa sob o espelho da água., filtrada através de fenda aquática submersa.

MONTE SOLARO
Pode-se alcançar opanorâmico cume do mais alto relevo caprese (589m) por um cômodo itinerário a pé, que parte de Anacapri, atravessando as colinas cultivadas do monte. Para os mais comodistas, ágil teleférico conduz diretamente de Anacapri ao cume, próximo do qual se pode observar restos de fortificações construídas pelos ingleses.

Do mirante sobre o monte avista-se o Golfo Partenopeu, em direção a Ischia, a mancha branca da cidade de Nápolis colocada aos pés do Vulcão Vesúvio e a península Sorrentina.

ANACAPRI
Estendida sobre o suave declive que desce dos caminhos íngremes do Monte Solaro, o segundo centro da ilha alargase sobre um vasto planalto cultivado. Predileta dos romanos no período helenístico, que ali construíram numerosas vilas e residências, Anacapri foi apreciada e freqüentada pelo próprio imperador Tibério. Ali também viveu o humanista e médico sueco Axel Munthis, autor da História de São Miguel.

Suas vielas possuem casas pintadas com cal, luminosos e floridos alpendres e terraços com luxuriante vegetação alternada com pinheiro marítimo e perfumadas ginestras amarelas.

VILLA JOVIS
Os imponentes vestígios de uma grandiosa vila romana da era imperial erguem-se no planalto que culmina no chamado monte de Tibério, com 335 metros de altitude. Jovis, a maior das divindades olímpicas é sem dúvida a mais importante e representativa de outras tantas construídas em Capri na era tiberiana de Augusto. O itinerário que conduz ao importantissimo local arqueológico é um dos mais freqüentados pelos turistas, quer seja pelos extraordinários testemunhos da era romana em Capri, quer seja pela aura de mistério e grandiosa potência que acompanha a figura de Tibério e seu mito. Do centro de Capri, caminha-se pela Via Sopramonte, seguindo pela Via Tibério e Via Moneta, chegando-se à Villa Jovis . Aqui e all, abrem-se encantadores mirantes sobre Capri, reavivados pelas arquitetura típica e beleza luminosa de suas casas brancas. Nas estações propícias os "bounganviles' floridos, os figos da índia, o inconfundível perfume dos limoeiros e as parreiras de uva oferecem aos turistas cenário propício para sua caminhada e deleite.

Pouco antes das ruínas de Villa Jovis, à direita, elevamse os restos de outra torre romana. Ali encontrava-se em tempos a Torre do Farol, um antigo farol utilizado para sinalização por meio de fogos.

O núcleo principal da Villa Jovis ou Palácio de Tibério ergue-se na mais extrema ponta oriental de Capri, num cenário de indescritível valor ambiental e panorâmico .